Território Corpo: Entre Brasil e África Negra - Roda de Conversa 2:  O Corpo Ritual na Performance Negra, com Reginaldo Flores (BA), Renata Lima (GO) e Onisajé (BA) - Inscrições Abertas

24 novembro 2020

Como parte da programação do Mês Negro e da Diversidade no CCVM, o programa Território Corpo: Entre Brasil e África Negra promove, terça (24/11), de 19h às 21h, a Roda de Conversa 2:  O Corpo Ritual na Performance Negra, com Reginaldo Flores (BA), Renata Lima (GO) e Onisajé (BA).

Por meio da reflexão sobre os diversos territórios rituais, os artistas e pesquisadores convidados irão enumerar e apontar possíveis diálogos entre os espaços institucionais de arte e o rico contexto periférico.

Reginaldo Daniel Flores é filho biológico de Clarice Daniel de Castro, naturais da ilha de Itaparica (BA), e por isso, descendentes do culto de Egungun fundado por seus ancestrais. Foi criado, assim como sua mãe, por Mãe Senhora no Ile Ase Opo Afonja, onde foram iniciados no culto de Òrìṣà. É também afilhado de Mestre Didi (Deoscóredes M. dos Santos) e Inaicyra Falcão dos Santos. Em sua trajetória civil é graduado em Licenciatura de Dança (UFBA) e possui pós-graduação em Fundamentos da Prática de Ensino e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Se aposentou como professor na rede estadual de Sergipe e no Instituto Federal de Sergipe (IFS).

Renata Lima é mestre e doutora em Artes (Unicamp-SP), instituição em que se graduou em Dança. Atua como docente na Universidade Federal de Goiás (UFG). É diretora artística no Núcleo Coletivo 22 e capoeirista do Centro de Capoeira Angola Angoleira Sim Sinhô.

Onisajé é Yakekerê – segunda sacerdotisa do terreiro, no Ilê Axé Oyá L´adê Inan, em Alagoinhas (BA). Dramaturga, preparadora de atores, educadora e pesquisadora da cultura africana no Brasil com ênfase nas religiões de matriz africana, o Candomblé, é Mestre em Artes Cênicas pelo Programa de Pós graduação em Artes Cênicas (UFBA) e diretora fundadora do Núcleo Afro brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA. Dirigiu os espetáculos Ogun – Deus e Homem (2010) e Erê, do Bando de Teatro Olodum (2015), entre outras produções premiadas.

Os interessados em participar, devem enviar nome completo, telefone e nome da roda de conversa que desejam se inscrever para o e-mail: contato@ccv-ma.org.br. A roda de conversa será transmitida pela Plataforma Zoom. Inscrições gratuitas. 80 vagas.

 


Relacionados